Sobre o ato


Não sei o que escrevo
Não sei a ordem
Nem mesmo a forma certa
Só sei que quando vejo, lá estão eles

Sentimentos, vontades, ansiedades
E tudo mais que nem consegue

chegar na ponta da língua
Já estão lá, na ponta dos dedos

Se sou poeta?
Estou certa que não
Fosse assim, todo mundo o seria
Sou uma derramadora de palavras
Muitas vezes sem jeito
Todas as vezes com destino.

Tudo por causa desse meu fascínio
Culpa dessa minha necessidade
Que insiste em ser, simplesmente, ouvida
Sem questionamentos, interpretações, julgamentos.
Só ouvida.



"O Essencial da arte é exprimir.
O que se exprime, não interessa."
(Fernando Pessoa)