Do verbo que eu escolhi


Pode duvidar

Amassar

Jogar fora

Mas eu vou continuar

Vou continuar a acreditar

No que me faz sorrir

No que me faz pulsar

Naquele verbo

Que não deixa nada,

Nadinha,

Parar.

Pode virar o rosto

Torcer pescoço

Fingir não ver

Mas meu verbo

É intransitivo

E não tá nem aí

Pra você

Se você não sabe

Se você não sente

Eu sinto

Eu sei

Amar.

4 comentários:

Leca disse...

Também...
continuo...
sou...
resistente...
beijos
Leca

Josiane Cristina Armani Dagort disse...

quem nao tem este verbo na vida, nada tem...nao vive..definha...
J^^h

Ludi disse...

vcs são fofas demais! e eu nem as conheço!
tão longe e tão perto, né?
bjos nas duas!

Luise Costa Lima disse...

Amei. É o que todo mundo sente quando lê essa poesia. :)
Boa decisão, amiga! Vai fazer toda diferença na sua vida! Nunca a perca de vista!!!!