Rosa-flor





Passou pela cabeça dela
Voltar a ser menina
Voltar à inocência,
das brincadeiras de rua,
Aos limites do condomínio,
Às fugas vespertinas,
Ao papel de carta perfumado,
Às mentirinhas brancas.


Olhou para si.
Joelho: machucado
Culpado: última volta longe de casa
Cabelo: despreocupado como o vento
Cabeça: muito, muito ocupada
Tantas histórias, piadas, emílias –
preocupações da sua idade
Na cama: um pinguin adotado e
um hipopótamo de toalha
confessam saudades entre si.


Daí que pediram pra ela escolher uma cor.
E como toda menina da sua idade,
não teve dúvidas:
Deixou os vermelhos piscarem nos semáforos,
Vermelharem nas dançarinas de tango,
Gritarem nas bandeiras comunistas.
Nas mãozinhas dela,
só delicadeza mesmo.

5 comentários:

Thai disse...

Ai que fofo! Adorei. É legal qnd vc lê e consegue visualizar...

Mila Ventura disse...

Tão lindo...
Tão leve...
Tão Ludi...

mila disse...

ai... esse também tá lindo... me fez suspirar e querer voltar a infancia também.

ShAyLyNhA disse...

Como as meninas disseram é bom ler e conseguir visualizar.
Eu me vi nesse poema.
Brincadeiras na rua, coleção de papéis de carta, os joelhos machucados.
Quem confessa a saudade na minha cama são um cachorro peludo rosa e uma boneca de pano com um vestido azul claro, assim como o céu nos dias de brincadeiras na rua...
Beijos

be disse...

華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,